Registro em cartório deve prevalecer em relação à certidão de batismo

Registro em cartório deve prevalecer em relação à certidão de batismo

Entre a informação constante na certidão de batismo (batistério) e a constante em cartório deve prevalecer esta última. Esse é o entendimento dos desembargadores que integram a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, ao julgarem um recurso interposto por um idoso contra sentença que julgou improcedente pedido para retificação da data de nascimento no seu registro. Ele queria que prevalecesse a data constante no documento da igreja.

Para a Justiça, no caso analisado, deve prevalecer a informação constante na certidão de casamento, pois seu conteúdo é extraído da certidão de nascimento constante no cartório, documento dotado de fé pública e presunção de veracidade. Segundo o relator do recurso, o juiz convocado Eduardo Pinheiro, a certidão de batismo é documento expedido pela Igreja, mas que não se sobrepõe ao documento oficial registrado em cartório.

O caso julgado foi o de idoso que interpôs recurso contra sentença proferida pelo Juízo da 2ª Vara da Comarca de João Câmara que, nos autos da ação de retificação de registro por ele proposta, julgou improcedentes os pedidos formulados para retificação de registro. Ele defendeu que faz jus ao deferimento da retificação de registro, uma vez que a certidão de batismo é documento de plena idoneidade e prova crível para demonstrar sua data de nascimento.

Argumentação

O idoso argumentou que, apesar da presunção de veracidade que goza o registro civil, reconhece-se que a certidão de batistério tem força para eliminar a presunção. Defendeu que a certidão de batismo serve como prova significativa da existência de equívoco no registro civil, quando há divergência considerável em relação à data de nascimento.

E sustentou também que, demonstrada a ocorrência de erro na lavratura do registro civil de nascimento, é cabível promover a retificação da data do seu nascimento. Relatou ainda que o batistério serve como registro confiável de fato ocorrido no início da vida da pessoa, já tendo recebido a qualidade de instrumento oficial dotado de fé pública.

Por isso, pediu pelo conhecimento e provimento do recurso, a fim de que seja reformada a sentença e retificada a data do seu nascimento para o dia 02 de julho de 1956.

Análise

Quando julgou o recurso, o relator observou que a controversa reside na alegação do autor de que nasceu no dia 02 de julho de 1956, mas foi registrado como se tivesse nascido em 05 de junho de 1957. Na certidão de batismo consta que o autor nasceu no dia 02 de julho de 1956, mas sua certidão de casamento indica que o nascimento ocorreu no dia 05 de junho de 1957.

Para Eduardo Pinheiro, deve prevalecer a informação constante na certidão de casamento, pois seu conteúdo é extraído da certidão de nascimento constante no cartório, documento dotado de fé pública e presunção de veracidade.

"A certidão de batismo (batistério) é documento expedido pela Igreja, mas que não se sobrepõe ao documento oficial registrado em cartório. Logo, deve prevalecer a informação constante na certidão de casamento (data de nascimento em 05 de junho de 1957)", decidiu.

Apelação Cível nº 2018.011443-8

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte

FONTE:  http://www.lex.com.br/noticia_27784138_REGISTRO_EM_CARTORIO_DEVE_PREVALECER_EM_RELACAO_A_CERTIDAO_DE...

Outras notícias

NOTÍCIAS 08 à 18 de março
segunda-feira 18 março / 2019 TJ/MG: Aprovados em concurso assumem 14 serventias extrajudiciais em Minas Gerais TST - Retenção de carteira de trabalho três anos após a morte de empregado afeta direito dos herdeiros Senado: Decreto prepara a implantação do Documento Nacional de Identidade Caixa Econômica Federal é obrigada a renegociar os contratos de financiamento habitacional celebrados até 05 de setembro de 2001
sexta-feira 15 março / 2019 Justiça eleitoral é competente para julgar crimes comuns conexos a eleitorais, decide STF Sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, lei proíbe casamento de menores de 16 anos Penhora sobre auxílio-doença não é admitida quando viola dignidade do devedor, decide Quarta Turma Honorários advocatícios equiparados a créditos trabalhistas se submetem a limite fixado por assembleia de credores
quinta-feira 14 março / 2019 Clipping – Recivil - Sistema de emissão de boletos do Recompe terá funcionamento regularizado ITI: Assinatura com certificado ICP-Brasil garantirá validade de Diplomas Digitais Ação de execução de título extrajudicial pode incluir parcelas a vencer no curso do processo Registro em cartório deve prevalecer em relação à certidão de batismo
quarta-feira 13 março / 2019 Clipping – Campo Grande News - Pensão por morte agora exige prova documental de união estável Clipping – Jornal Contábil - Descubra como tirar a segunda via da certidão de nascimento Nova lei institui CPF como documento único no âmbito federal Terceira Turma considera ilegal cobrança de taxa de conveniência na venda de ingressos on-line
terça-feira 12 março / 2019 Tribunal de Justiça defere liminar para agente delegado não perder a delegação em virtude de aposentadoria Portaria nº 9 da Corregedoria Geral da Justiça define integrantes do COGETISE Projeto permite que maior de 16 anos reconheça filho sem auxílio de representante legal Justiça autoriza mudança de registro civil
segunda-feira 11 março / 2019 Clipping – Folha de S. Paulo - Matrícula de imóvel e Renavam podem ser obrigatórios no IR 2020 Único imóvel da família não pode ser garantia de empréstimo bancário PORTARIA Nº 4.386/PR/2019

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício