Justiça autoriza mudança de registro civil

Justiça autoriza mudança de registro civil

Erro na grafia de sobrenome impedia obtenção de cidadania italiana

Dois irmãos descendentes de imigrantes italianos vão retificar o seu registro civil, graças a uma decisão judicial. Os sobrenomes que constavam dos documentos tinham sido adaptados ao português, o que impedia a obtenção da dupla cidadania. Eles tentavam corrigir o registro desde fevereiro de 2017.

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) reforma em parte decisão da comarca de Inhapim.

Os desembargadores consideraram que o registro deveria ser retificado, pois procedimentos judiciais que já transitaram em julgado comprovaram os erros nas grafias dos nomes, a medida não prejudica terceiros e é coerente com a realidade histórica da família.

Na Primeira Instância, a Justiça autorizou apenas a retificação da data de nascimento do pai dos autores da ação na certidão de casamento, de 15 de janeiro de 1941 para a mesma data, em 1938. A sentença afirmava que não havia provas suficientes de que as denominações divergentes se referiam às mesmas pessoas.

Os irmãos, um comerciante de 46 anos e um empresário de 45, questionaram judicialmente a decisão.

O desembargador Washington Ferreira, relator, analisou o recurso, baseado no artigo 109 da Lei 6.015/73, que estabelece as hipóteses nas quais o interessado pode buscar a restauração, o suprimento ou a retificação do registro civil.

Segundo o magistrado, jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em casos semelhantes, sinalizou que a obtenção de dupla cidadania constitui justo motivo para a pretensão de restauração, suprimento ou a retificação do registro civil.

Os trisavós dos autores, Felice Rosato e Annamaria Parisi, bem como o filho deles, Michele Arcangelo Rosato, bisavô dos autores do processo, nasceram na Itália. No Brasil, a família recebeu nomes adaptados pelos oficiais de imigração e pelos cartórios, passando seus integrantes a identificar-se como Felício Rozado, Anna Maria Paris e Miguel Archanjo Rozado.

Michele morreu em Inhapim em 1961, aos 91 anos. O bisavô se casou no Brasil, aos 23 anos, com uma brasileira, com quem teve dez filhos. Uma delas, Maria Rozaria, é a avó dos autores da ação. Ela morreu em 1989, aos 85 anos. Já o filho de Maria Rozaria e pai dos autores do processo faleceu aos 76 anos, em 2014.

O relator e os desembargadores Geraldo Augusto e Edgard Penna Amorim determinaram a retificação do nome dos ascendentes nos registros dos seus familiares.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais


Outras notícias

NOTÍCIAS 11 à 21 de fevereiro
quinta-feira 20 fevereiro / 2020 Clipping – ConJur – Execução contra devedor já morto não é redirecionada a herdeiros STF - Instituições são convocadas a cadastrar endereço eletrônico no STF para receber comunicações processuais
quarta-feira 19 fevereiro / 2020 ITI – ITI: Plugin para assinar e verificar as assinaturas digitais ICP-Brasil em PDF está disponível TJ/MG – CGJ publica aviso nº 14/CGJ/2020 e orienta sobre o cadastro de oficiais de cumprimento, nos termos do Provimento da Corregedoria Nacional de Justiça nº 88 CNJ – CNJ: Novas conselheiras tomam posse no CNJ Primeira Seção define que prazo prescricional aplicável à desapropriação indireta é de dez anos
terça-feira 18 fevereiro / 2020 Para Terceira Turma, condomínio é ente despersonalizado e não sofre danos morais
segunda-feira 17 fevereiro / 2020 CNJ e Anoreg/BR promovem evento sobre o Provimento 88 com especialistas do setor extrajudicial Clipping – Diário do Poder - Corregedoria do CNJ reforça integração de cartórios no combate à corrupção Quarta Turma admite flexibilizar diferença mínima de idade na adoção Imóvel com dívida tributária arrematado em leilão pode ser penhorado em caso da execução antes da alienação
sexta-feira 14 fevereiro / 2020 Para Quarta Turma, execução de dívida contraída em favor de filhos não pode ser redirecionada a cônjuge não citado Clipping - Estado de São Paulo - Contra fraudes e fachadas, cartórios agora comunicam operações dos ‘expostos politicamente’ ao Coaf Câmara dos Deputados - Projeto autoriza enteado a adotar o nome de família do padrasto ou da madrasta sem autorização judicial
quinta-feira 13 fevereiro / 2020 CNJ altera prazo de comunicação de atos suspeitos ao COAF Senado – CCJ aprova documento de identidade para profissionais de cartórios Convenção de condomínio outorgada por construtora ou incorporadora não pode fixar taxa menor para unidades não vendidas
quarta-feira 12 fevereiro / 2020 Serjus – Anoreg/MG divulga novo número de telefone para atendimento via WhatsApp Sob o atual CPC, direito de meação de terceiro alheio à execução deve ser resguardado em 50% do valor de avaliação Equívoco na denominação do recurso não impede análise do mérito

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2020 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício