Clipping – Conjur - TJ-RS não reconhece união estável que durou apenas oito meses

Clipping – Conjur - TJ-RS não reconhece união estável que durou apenas oito meses

Só é possível o reconhecimento de união estável entre homem e mulher se ficar provada a convivência pública, contínua, duradoura e estabelecida com o objetivo de constituir família, como prevê o artigo 1.723 do Código Civil.

Por não vislumbrar a tipificação desse dispositivo, a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou pedido de uma mulher que viveu oito meses com um companheiro. Após o fim da relação, ela ajuizou ação declaratória de reconhecimento e de dissolução de união estável, cumulada com danos morais.

No primeiro grau, o juiz deu parcial procedência à ação. Reconheceu e dissolveu a união e ainda determinou a partilha de um automóvel, adquirido no tempo em que o casal estava junto — de janeiro a agosto de 2015.

Contra essa decisão, o homem interpôs apelação cível, argumentando que o relacionamento não preencheu os pressupostos legais que caracterizam a união estável. Afirmou que períodos de namoro foram intercalados por longos períodos de afastamento e que arcou sozinho com as prestações do veículo.

Tempo exíguo
Analisando os autos, o relator do recurso na 8ª Câmara Cível, desembargador Ricardo Moreira Lins Pastl, não identificou as características de uma união estável, como define o artigo 1.723 do Código Civil. A seu ver, o ‘‘arranjo’’ conjugal, pelo seu curto tempo, não atende aos pressupostos de durabilidade, estabilidade e seriedade inerentes ao objetivo de constituir família.

‘‘Realço que o período de 8 meses é demasiadamente exíguo para que se tenha a relação como estável; isto é, como firme, como constante, como durável. As relações entre as pessoas não se desenvolvem com as mesmas características o tempo inteiro, de forma constante, e há, como em tudo, uma evolução e, depois, uma involução. Daí que, sendo assim, mesmo os marcos inicial e final afirmados pelas partes experimentam alguma sorte de relativização, já que a relação não é de natureza contábil ou matemática’’, escreveu no voto.

Pastl observou ainda que a autora não conseguiu provar que contribuiu para a compra do automóvel nem o interesse mútuo em constituir uma família, seja pela inclusão como dependente de plano de saúde ou pela simples habilitação em clubes e associações.

Clique aqui para ler o acórdão.
Apelação Cível 70079824918

Fonte: Conjur

FONTE:  http://www.serjus.com.br/noticias_ver.php?id=9160 

Outras notícias

NOTÍCIAS 12 à 22 de setembro
sexta-feira 20 setembro / 2019 TJ/MG – Patrocínio/MG abre inscrições para casamento comunitário STJ - Terceira Turma permite acréscimo de outro sobrenome de cônjuge após o casamento
quinta-feira 19 setembro / 2019 Recivil-MG: Recivil firma parceria na prestação de serviços contábeis para pequenos cartórios Clipping – Hoje em Dia - Defensoria Pública realiza mutirão com serviços gratuitos para reconhecimento de paternidade em Minas Gerais Ação ajuizada três anos após a morte de empregado é extinta Senado: CCT aprova uso de certificado digital para representação de órgão público e pessoa jurídica
quarta-feira 18 setembro / 2019 Primeira palestra do 11º Fórum da Apostila Eletrônica da Haia trará uma contextualização histórica da Convenção da Apostila no mundo CGJ/MG - CGJ/MG publica Aviso nº 55/CGJ/2019 sobre os procedimentos para a anexação provisória de serventias AVISO Nº 55/CGJ/2019 Quinta Turma reafirma que suspensão de atividade de pessoa jurídica tem amparo no CPP Ministro homologa acordo que destina verba recuperada da Petrobras para educação e meio-ambiente
terça-feira 17 setembro / 2019 CNJ - Ministro Emmanoel Pereira toma posse como conselheiro do CNJ
segunda-feira 16 setembro / 2019 Para Primeira Turma, CNH vencida vale como identificação pessoal, inclusive em concurso público Prazo prescricional para cobrança de valores indevidos de serviço de telefonia é de dez anos
sexta-feira 13 setembro / 2019 Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento Do incidente de desconsideração da personalidade juridica no novel CPC Decisão do CNJ destaca que Lei 13.726/2018 não se aplica aos serviços notariais e registrais

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício