Penhora de casa é afastada apesar de novo proprietário não ter registrado o imóvel

Penhora de casa é afastada apesar de novo proprietário não ter registrado o imóvel

Ele comprovou a existência do contrato de compra e venda.

A Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho desconstituiu a penhora da casa adquirida por um médico dos sócios da microempresa M T Entregas Rápidas Ltda., de Belém (PA). Para considerar que houve boa-fé e que a venda havia ocorrido antes do ajuizamento da reclamação trabalhista em que a empresa foi condenada, os ministros reconheceram que o contrato particular de compra e venda, com firma reconhecida em cartório, superou a falta do registro formal da transação no cartório competente.

Contrato de compra e venda

A venda, feita em 28/5/2009, não foi registrada oficialmente na ocasião. Segundo o médico, ao tentar realizar a transferência, mais de dois anos depois, não foi possível receber a certidão de quitação, pois o imóvel havia sido penhorado em razão do processo judicial, iniciado em maio de 2011.

Ele então buscou desconstituir a penhora, determinada pelo juízo da 9ª Vara do Trabalho de Belém, por meio de embargos de terceiro, instrumento previsto no artigo 674 do Código de Processo Civil para a liberação ou não alienação do bem constrito em favor de alguém que não seja parte no processo principal.

O juízo de primeiro grau e o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região mantiveram a penhora, por entenderem que o médico não era proprietário ou possuidor do bem, em razão da falta do registro formal da venda no cartório competente, pois, de acordo com o artigo 1.245, parágrafo 1º, do Código Civil, nessa circunstância o vendedor continua como proprietário do imóvel.

Ação rescisória

Em ação rescisória, o médico sustentou a ocorrência de manifesta violação de norma jurídica e pediu, novamente, a desconstituição da penhora. O Tribunal Regional, no entanto, reiterou que, na decisão anterior, havia observado, de forma estrita, o dispositivo do Código Civil.

TST

No recurso ordinário ao TST, o médico argumentou que a Súmula 84 do Superior Tribunal de Justiça (STJ) autoriza o cabimento dos embargos fundados em alegação de posse advinda do compromisso de compra e venda de imóvel, ainda que desprovido do registro.

O relator do recurso, ministro Alexandre Agra Belmonte, observou que a súmula do STJ, apesar de não se enquadrar nos requisitos para o cabimento da ação rescisória, permite o provimento do recurso ordinário para a desconstituição do primeiro acórdão do TRT. De acordo com o ministro, o Tribunal Regional, ao julgar inadmissíveis os embargos com o único fundamento de que o embargante não seria o verdadeiro proprietário do imóvel, decidiu em flagrante violação do artigo 674, parágrafo 1º, do CPC.

A decisão foi unânime.

(GS/CF)

Processo: RO-542-78.2017.5.08.0000

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho

FONTE: http://www.lex.com.br/noticia_27812532_PENHORA_DE_CASA_E_AFASTADA_APESAR_DE_NOVO_PROPRIETARIO_NAO_TER_REGISTRADO_O_IMOVEL.aspx

Outras notícias

NOTÍCIAS 12 à 22 de setembro
sexta-feira 20 setembro / 2019 TJ/MG – Patrocínio/MG abre inscrições para casamento comunitário STJ - Terceira Turma permite acréscimo de outro sobrenome de cônjuge após o casamento
quinta-feira 19 setembro / 2019 Recivil-MG: Recivil firma parceria na prestação de serviços contábeis para pequenos cartórios Clipping – Hoje em Dia - Defensoria Pública realiza mutirão com serviços gratuitos para reconhecimento de paternidade em Minas Gerais Ação ajuizada três anos após a morte de empregado é extinta Senado: CCT aprova uso de certificado digital para representação de órgão público e pessoa jurídica
quarta-feira 18 setembro / 2019 Primeira palestra do 11º Fórum da Apostila Eletrônica da Haia trará uma contextualização histórica da Convenção da Apostila no mundo CGJ/MG - CGJ/MG publica Aviso nº 55/CGJ/2019 sobre os procedimentos para a anexação provisória de serventias AVISO Nº 55/CGJ/2019 Quinta Turma reafirma que suspensão de atividade de pessoa jurídica tem amparo no CPP Ministro homologa acordo que destina verba recuperada da Petrobras para educação e meio-ambiente
terça-feira 17 setembro / 2019 CNJ - Ministro Emmanoel Pereira toma posse como conselheiro do CNJ
segunda-feira 16 setembro / 2019 Para Primeira Turma, CNH vencida vale como identificação pessoal, inclusive em concurso público Prazo prescricional para cobrança de valores indevidos de serviço de telefonia é de dez anos
sexta-feira 13 setembro / 2019 Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento Do incidente de desconsideração da personalidade juridica no novel CPC Decisão do CNJ destaca que Lei 13.726/2018 não se aplica aos serviços notariais e registrais

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício