Em regra, substabelecente não responde por atos praticados pelo substabelecido

Em regra, substabelecente não responde por atos praticados pelo substabelecido

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento ao recurso de um advogado e afastou sua responsabilidade pela apropriação indébita imputada à advogada substabelecida por ele no curso de uma ação de indenização de danos morais. Para os ministros, a configuração da culpa in eligendo do substabelecente requer a comprovação de que ele sabia da inaptidão do substabelecido para o exercício do mandato ao tempo do substabelecimento.

Segundo informações do processo, o advogado foi contratado por uma empresa que lhe outorgou procuração em que se definiu a possibilidade de substabelecer, com ou sem reserva de poderes. No curso da ação, ele substabeleceu os poderes, com reserva, a outra advogada.

Representando a empresa, a advogada firmou acordo com a outra parte, tendo recebido valores da indenização em sua conta. No entanto, ela deixou de repassá-los à cliente, que ajuizou ação de reparação de danos materiais contra os dois advogados.

O juízo de primeiro grau reconheceu a ilegitimidade passiva do advogado, mas o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) condenou-o solidariamente pelos prejuízos suportados pela empresa, entendendo que haveria culpa in eligendo (culpa decorrente da má escolha do preposto).

Ciência da inaptidão

Para o relator do recurso no STJ, ministro Marco Aurélio Bellizze, o parágrafo 2º do artigo 667 do Código Civil é claro no sentido de que o substabelecente somente se responsabiliza pelos atos praticados pelo substabelecido "se tiver agido com culpa na escolha deste ou nas instruções dadas a ele".

"Para o reconhecimento da culpa in eligendo do substabelecente, é indispensável que este, no momento da escolha, tenha inequívoca ciência a respeito da ausência de capacidade legal, de condição técnica ou de idoneidade do substabelecido para o exercício do mandato", disse.

O ministro ainda ressaltou que, para a configuração da culpa in eligendo,é necessário que a inaptidão do eleito para o exercício do mandato seja uma circunstância contemporânea à escolha e de conhecimento do mandatário.

Nenhum fato

Em seu voto, o relator lembrou que as instâncias ordinárias reconheceram que o advogado não participou do acordo firmado pela substabelecida. Além disso, para o ministro Bellizze, o substabelecente não pode ser responsabilizado apenas porque ele e a advogada indicaram o mesmo endereço profissional ou porque o substabelecimento foi feito com reserva de poderes.

Para o ministro, "o acórdão recorrido não indica nenhum fato idôneo que sinalize ter o substabelecente obtido, ao proceder à escolha da substabelecida, ciência de que esta não ostentava idoneidade para o exercício do mandato, aspecto essencial à configuração da culpa in eligendo, tendo na verdade passado ao largo de qualquer consideração nesse sentido".

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):

REsp 1742246

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

FONTE: http://www.lex.com.br/noticia_27812522_EM_REGRA_SUBSTABELECENTE_NAO_RESPONDE_POR_ATOS_PRATICADOS_PELO_SUBSTABELECIDO.aspx

Outras notícias

NOTÍCIAS 12 à 22 de setembro
sexta-feira 20 setembro / 2019 TJ/MG – Patrocínio/MG abre inscrições para casamento comunitário STJ - Terceira Turma permite acréscimo de outro sobrenome de cônjuge após o casamento
quinta-feira 19 setembro / 2019 Recivil-MG: Recivil firma parceria na prestação de serviços contábeis para pequenos cartórios Clipping – Hoje em Dia - Defensoria Pública realiza mutirão com serviços gratuitos para reconhecimento de paternidade em Minas Gerais Ação ajuizada três anos após a morte de empregado é extinta Senado: CCT aprova uso de certificado digital para representação de órgão público e pessoa jurídica
quarta-feira 18 setembro / 2019 Primeira palestra do 11º Fórum da Apostila Eletrônica da Haia trará uma contextualização histórica da Convenção da Apostila no mundo CGJ/MG - CGJ/MG publica Aviso nº 55/CGJ/2019 sobre os procedimentos para a anexação provisória de serventias AVISO Nº 55/CGJ/2019 Quinta Turma reafirma que suspensão de atividade de pessoa jurídica tem amparo no CPP Ministro homologa acordo que destina verba recuperada da Petrobras para educação e meio-ambiente
terça-feira 17 setembro / 2019 CNJ - Ministro Emmanoel Pereira toma posse como conselheiro do CNJ
segunda-feira 16 setembro / 2019 Para Primeira Turma, CNH vencida vale como identificação pessoal, inclusive em concurso público Prazo prescricional para cobrança de valores indevidos de serviço de telefonia é de dez anos
sexta-feira 13 setembro / 2019 Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento Do incidente de desconsideração da personalidade juridica no novel CPC Decisão do CNJ destaca que Lei 13.726/2018 não se aplica aos serviços notariais e registrais

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício