Clipping – Marco Aurélio de Carvalho - Cartórios poderão emitir passaporte e carteira de trabalho: mais serviços, mais segurança

Clipping – Marco Aurélio de Carvalho - Cartórios poderão emitir passaporte e carteira de trabalho: mais serviços, mais segurança

Decisão do STF amplia serviços oferecidos por cartórios, que deverão formalizar convênios

Uma decisão importante do Supremo Tribunal Federal, nesta semana, validou a lei que permite aos cartórios de registro civil fazer a emissão de documentos de identificação como passaportes, CPFs e carteiras de trabalho. Atualmente, suas principais atividades são os registros de nascimentos e de óbitos. Os novos serviços deverão ser formalizados por convênios com a aprovação do Conselho Nacional de Justiça ou das corregedorias dos tribunais de justiça dos estados. Oportuno que se diga que a lei que regulamenta a atividade dos cartórios prevê a existência de pelo menos um registrador em cada município, o que dá uma capilaridade extraordinária a estes serviços, com uma rede de atendimento qualificada e comprometida com os mais nobres e legítimos interesses públicos.

Trata-se de uma excelente notícia em um país que tem como um de seus maiores desafios ampliar o acesso aos serviços públicos.

É preciso reconhecer que nem todo mundo concorda com isso. Talvez por falta de informações ou por interesses de natureza econômica…

Hoje a tecnologia promete serviços cada vez mais rápidos, inteligentes, e sem papel! Esse tipo de argumento vem alimentando discussões sobre o lugar dos cartórios no Brasil. Alguns dizem até que seu tempo já teria passado. Será? Incorporar tecnologia visando eficiência, sem dúvida, é importantíssimo e os próprios cartórios devem se beneficiar disso. Porém, para que seja feita com honestidade, essa discussão precisa ir mais fundo. Desde que os cartórios foram autorizados a realizar separações, divórcios, inventários e partilhas, há mais de dez anos, milhões de demandas foram resolvidas rapidamente, facilitando a vida das pessoas e contribuindo para desafogar o judiciário e desonerar os cofres públicos.

Outras demandas foram igualmente desjudicializadas, como o usucapião extrajudicial, a retificação de nascimentos, casamentos e óbitos, e , como espelho da dignidade da pessoa humana, a possibilidade de mudança de nome e sexo diretamente em cartório.

Do total das receitas recebidas pelos cartórios, nada menos do que 73% são destinados a repasses que garantem a prestação de uma série de serviços gratuitos como a assistência jurídica para pessoas sem condições de pagar por advogados. Quase 80 órgãos diferentes, a maior parte na esfera do poder judiciário, recebem verbas de cartórios. Além disso, segundo dados de 2016, cerca de 6 bilhões de reais são repassados aos cofres públicos anualmente por meio do instrumento de protesto de títulos, considerando recursos extraídos das custas e do pagamento de impostos.

Atos praticados pelos cartórios têm fé pública, o que pode ser entendido como uma chancela de autenticidade, que é conferida por comando constitucional. Por essa razão, cartórios estão submetidos à intensa fiscalização do Poder Judiciário. Aliás, há mais de 30 anos, gestores de cartórios são escolhidos em concursos públicos extremamente disputados, o que garante o acesso por mérito.

Cartórios produzem segurança jurídica, ajudam a desafogar o judiciário e facilitam a vida das pessoas. É nesse contexto que seu papel deve ser discutido.

Fonte: Marco Aurélio de Carvalho

FONTE:  http://www.serjus.com.br/noticias_ver.php?id=9010 


Outras notícias

NOTÍCIAS 07 à 17 de julho
terça-feira 16 julho / 2019 Projeto susta regras de designação de interinos em cartórios
segunda-feira 15 julho / 2019 Sentença em ação de usucapião é anulada por falta de citação de interessado MP que simplificava abertura e fechamento de empresas perde a validade TST determina regime de precatório para uma sociedade de economia mista Para Quarta Turma, violação da boa-fé afasta proteção legal do bem de família
sexta-feira 12 julho / 2019 Famílias pobres poderão ter escritura de imóvel mesmo sem o habite-se Até encerramento da liquidação, sociedade falida tem legitimidade para agir em juízo Caixa não é obrigada a renegociar dívida de mutuário por perda de emprego
quinta-feira 11 julho / 2019 STJ: Colação de terreno doado em inventário deve considerar valor certo, e não proveito econômico dos herdeiros IBDFAM: Provimento trata de possibilidades de alterações nos sobrenomes de forma extrajudicial IBDFAM: Cônjuge ou companheiro de titular de empresa individual pode ajuizar ação de apuração de haveres para fins de partilha de bens, diz enunciado Para Primeira Turma, não cabem apreensão de passaporte e suspensão de CNH em execução fiscal
quarta-feira 10 julho / 2019 Sinoreg/MG: CCJ aprova carteira profissional de notários e escreventes TJ/MG: Ofício Circular da CCG/MG n.120/COFIR/2019 - Recolhimento de IRPF e ISSQN nas serventias vagas Clipping – Conjur - Documento antigo não é válido para ação rescisória, decide TST Incapacidade devida à progressão ou agravamento de doença garante a segurado aposentadoria por invalidez
terça-feira 09 julho / 2019 Clipping – Conjur - Mais de um ano sem contribuir invalida pensão por morte para dependentes
segunda-feira 08 julho / 2019 TJMG: Eliminação de documentos administrativos - Edital 06/2019 - Prazo de 45 dias para solicitar resgate de documentos Provimento Nº 82 do CNJ padroniza nacionalmente procedimentos de alteração do nome do genitor Clippiing - CNJ regula dispensa de anuência para desmembramento de imóveis rurais Clipping- IRTDPJ Minas – Sugestões para alteração do Código de Normas de Minas Gerais que será tratada na Comissão Especial de Trabalho

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício