Clipping – Conjur - Interlocutória que fixa data da separação de casal é impugnável por agravo

Clipping – Conjur - Interlocutória que fixa data da separação de casal é impugnável por agravo

Com implicações no mérito do processo, especialmente nos casos de controvérsia sobre a partilha de bens, a decisão interlocutória que fixa a data da separação de fato do casal é, conforme o artigo 356 do Código de Processo Civil, uma decisão parcial de mérito da ação. Dessa forma, por resolver parte do objeto litigioso, ela é impugnável imediatamente por meio de agravo de instrumento, de acordo com o artigo 1.015 do CPC.

O entendimento foi fixado pela 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo. Em seu voto, a ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso, destacou que o CPC passou a reconhecer expressamente em seu artigo 356 o fenômeno segundo o qual pedidos ou parcelas de pedidos podem amadurecer em momentos processuais distintos, seja em razão de não haver controvérsia sobre a questão, seja em virtude da desnecessidade de produção de provas para resolução do tema.

“Diante desse cenário, entendeu-se como desejável ao sistema processual, até mesmo como técnica de aceleração do procedimento e de prestação jurisdicional célere e efetiva, que tais questões possam ser solucionadas antecipadamente, por intermédio de uma decisão parcial de mérito com aptidão para a formação de coisa julgada material”, apontou a relatora.

No caso dos autos, a ministra ressaltou que a questão relacionada à data da separação de fato do casal é, realmente, tema que versa sobre o mérito do processo, mais especificamente sobre uma parcela do pedido de partilha de bens. Por isso, explicou, a decisão proferida em primeiro grau é, na verdade, verdadeira decisão parcial de mérito, nos termos do artigo 356 do CPC.

Segundo Nancy Andrighi, embora o julgamento parcial de mérito e o fracionamento do pedido de partilha não representem erro de condução processual, o próprio CPC prevê que as decisões parciais de mérito são impugnáveis, desde logo, pelo agravo de instrumento, motivo pelo qual a cada decisão que resolve uma parte do mérito caberá imediatamente um novo agravo.

A ministra também afirmou que, caso fosse adotado o entendimento de que a fixação da data de separação não é recorrível de imediato, haveria, na hipótese em exame, uma “situação verdadeiramente aberrante” na qual uma segunda decisão parcial de mérito, posteriormente proferida no mesmo processo e por meio da qual foi realizada a divisão da parte alegadamente incontroversa dos bens do casal, poderia transitar em julgado antes de ser decidido, definitivamente, o período inicial e final da relação conjugal das partes.

No voto acompanhado de forma unânime pelo colegiado, Nancy Andrighi disse que o TJ-SP, a despeito de não conhecer do agravo de instrumento, ingressou no mérito da questão discutida, manifestando-se pelo acerto da decisão de primeiro grau. Por isso, o colegiado determinou o retorno do processo ao tribunal paulista para que, afastado o fundamento de não cabimento do agravo, faça novo exame da matéria com base no acervo de provas produzido pelas partes. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Fonte: Conjur

FONTE:  http://www.serjus.com.br/noticias_ver.php?id=8986 


Outras notícias

NOTÍCIAS 07 à 17 de julho
terça-feira 16 julho / 2019 Projeto susta regras de designação de interinos em cartórios
segunda-feira 15 julho / 2019 Sentença em ação de usucapião é anulada por falta de citação de interessado MP que simplificava abertura e fechamento de empresas perde a validade TST determina regime de precatório para uma sociedade de economia mista Para Quarta Turma, violação da boa-fé afasta proteção legal do bem de família
sexta-feira 12 julho / 2019 Famílias pobres poderão ter escritura de imóvel mesmo sem o habite-se Até encerramento da liquidação, sociedade falida tem legitimidade para agir em juízo Caixa não é obrigada a renegociar dívida de mutuário por perda de emprego
quinta-feira 11 julho / 2019 STJ: Colação de terreno doado em inventário deve considerar valor certo, e não proveito econômico dos herdeiros IBDFAM: Provimento trata de possibilidades de alterações nos sobrenomes de forma extrajudicial IBDFAM: Cônjuge ou companheiro de titular de empresa individual pode ajuizar ação de apuração de haveres para fins de partilha de bens, diz enunciado Para Primeira Turma, não cabem apreensão de passaporte e suspensão de CNH em execução fiscal
quarta-feira 10 julho / 2019 Sinoreg/MG: CCJ aprova carteira profissional de notários e escreventes TJ/MG: Ofício Circular da CCG/MG n.120/COFIR/2019 - Recolhimento de IRPF e ISSQN nas serventias vagas Clipping – Conjur - Documento antigo não é válido para ação rescisória, decide TST Incapacidade devida à progressão ou agravamento de doença garante a segurado aposentadoria por invalidez
terça-feira 09 julho / 2019 Clipping – Conjur - Mais de um ano sem contribuir invalida pensão por morte para dependentes
segunda-feira 08 julho / 2019 TJMG: Eliminação de documentos administrativos - Edital 06/2019 - Prazo de 45 dias para solicitar resgate de documentos Provimento Nº 82 do CNJ padroniza nacionalmente procedimentos de alteração do nome do genitor Clippiing - CNJ regula dispensa de anuência para desmembramento de imóveis rurais Clipping- IRTDPJ Minas – Sugestões para alteração do Código de Normas de Minas Gerais que será tratada na Comissão Especial de Trabalho

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício